Category

Dicas

País precisa mudar regras trabalhistas segundo gestor da Ricci

País precisa mudar regras trabalhistas segundo gestor da Ricci

Escrito por | Dicas

Uma das coisas que mais chamaram a atenção da equipe de pesquisa da Ricci Assessoria de Carreiras foi perceber que por mais que ainda sejam uma mão de obra menos onerosa os jovens ainda são os mais atingidos no Brasil. Segundo Cláudio Riccioppo, gestor de carreiras da Ricci, dados mostram que caminhamos para termos quase 1 em cada 5 jovens até 24 anos desempregados. E, segundo ele, isso se dá por diversos fatores, sendo o mais importante a falta de empregabilidade desses jovens. “Muitos se preparam tecnicamente com diversos cursos de formação, mas na prática pouco ou quase nada sabem fazer. Acreditam que mundo corporativo é como o mundo acadêmico. E caem na armadilha de não se apresentarem como um produto à venda no mercado, não possuem rede de relacionamento profissional bem estruturada e por essa carência perdem a arma mais forte de um processo de recolocação profissional que é o network. A nossa pesquisa mostra dados bem próximos da OIT (Organização Internacional do Trabalho) que já acredita em um aumento de mais de meio milhão de desempregados no Brasil apenas nesse grupo de até 24 anos,” afirma.

Para o gestor, muitos não sabem nem como começar a busca por recolocação ou os caminhos corretos para assim desenvolver o trabalho da sua recolocação. E precisam do apoio de especialistas em carreiras que os auxiliem em como montar um currículo profissional sem ter nenhuma ou quase nenhuma experiência. Da mesma forma como fazer uma carta de apresentação, como se apresentar em uma entrevista de emprego, de que maneira se vestir, comportar, a postura ideal, a colocação ideal, como estar pronto para dinâmicas de grupo, como estar preparado para uma possível negociação salarial e, principalmente, de que maneira vender-se, quais fontes usar, como usar esses recursos e etc.

Ele lembra que o Brasil hoje já está entre os 8 países entre o maior número de desempregados no mundo: “Somos o país com maior número de desempregados em todas as Américas e o número é tão gritante que estamos próximos de ter o dobro do percentual de desempregados, por exemplo, do Chile que é uma economia muito menor que a nossa. Podemos ir até além e comparar nosso número de desempregados ao total da população do Uruguai. Lamentavelmente enquanto não fizermos uma forte alteração nas regras trabalhistas, minimizando encargos e incentivando a criação de novos postos de trabalho, junto as atuais consequências na economia deixados pelo processo de impeachment ainda teremos muito desse assunto a discutir”.

Outro fato importante destacado por Cláudio Riccioppo: “se o mercado não vai mudar nos próximos meses o que deve mudar somos nós. O brasileiro precisa muito amadurecer no que diz respeito à busca por recolocação profissional para encarar essa crise. Precisa estar com a mente mais aberta principalmente para, antes de sair por aí buscando um emprego, estar empregável. Precisa entender que, principalmente agora, não é momento para férias e quando as reservas estiverem acabando sair correndo em busca de um milagre. Precisa entender que investir em recolocação é tão importante quanto investir em formação, pois uma bela formação sem seu devido uso é como uma Ferrari estacionada em uma vitrine, ou seja, não serve para nada do que se propõe”, conclui o gestor de carreiras.

Website: https://www.claudioriccioppo.com/

Pesquisa da Ricci RH aponta um aumento no número de profissionais ainda trabalhando, mas em busca de recolocação

Pesquisa da Ricci RH aponta um aumento no número de profissionais ainda trabalhando, mas em busca de recolocação

Escrito por | Coaching, Dicas, Entrevista de Emprego

Segundo o Gestor de Carreiras, Claudio Riccioppo, em suas pesquisas, afirma que atualmente existe um aumento no número de profissionais empregados que continuam em busca de recolocação e progressão no mercado de trabalho. Isso se dá porque viemos de um longo período de demissões e redução salarial. Já em 2018 o mercado iniciou uma pequena melhoria no cenário de empregabilidade, fazendo com que, por exemplo, vagas antes se procrastinavam para serem fechadas e duravam meses “nas mãos” dos selecionadores.

Atualmente, ocorreu uma pequena melhoria, e esta já faz com que profissionais (que na época da crise tiveram que submeter a salários muito baixos) já iniciem um processo de análise de oportunidades a fim de retornar ao seu patamar anterior, ou pelo menos algo intermediário.

Pela mesma crise, muitos empregados ficaram anos sem um crescimento profissional, pois a empresa mais lutava para mantê-lo empregado e não o perder, do que pensar em talvez promovê-lo. Logo, esses profissionais estagnados por algum período, hoje como já sentem essa inicial melhoria no mercado e buscam novas oportunidades (mesmo que seja apenas para ter algo em mãos antes de negociar com seu atual contratante).

Uma dica importante é: cuidado para não tentar fazer as duas coisas (trabalhar e buscar recolocação profissional), pois você pode não ter tempo para fazer as duas com excelência e acabar não conseguindo sucesso em ambas, ficando sem o atual e um novo emprego. Se você não tem tempo para fazer isso bem feito e não sabe como fazer da melhor maneira, deixe a cargo de um Gerente de Carreiras especialista, de sua confiança, que este sim terá tempo integral para atender à sua nova expectativa, permitindo o sucesso no seu trabalho.

Ressalto também que nestas novas entrevistas de recolocação, o profissional deve tomar cuidado para não “falar mal da sua atual empresa” para esta, pois se você está saindo dela, a probabilidade de acontecer o mesmo ao sair da próxima será evidente – pensa assim, o recrutador.

Siga mais dicas no site:

https://www.claudioriccioppo.com/dicas-profissionais

Cinco atitudes e erros na busca de recolocação de mercado

Cinco atitudes e erros na busca de recolocação de mercado

Escrito por | Dicas, Entrevista de Emprego

Estar desempregado é sempre uma situação desagradável para qualquer profissional. Entretanto, se desesperar ou ficar se lamentando não ajuda em nada, e só dificulta a sua recolocação no mercado de trabalho. Por isso, nesse momento, é importante preparar o terreno e investir em si próprio para permitir que o mercado lhe absorva novamente.

Por isso, neste texto falaremos sobre 5 atitudes que vão acelerar o seu processo de recolocação no mercado. Confira!

1 – Investimento em Marketing Pessoal

Uma empresa só contrata um trabalhador se percebe nele o potencial para agregar valor para os processos do empreendimento. E a melhor forma de fazer isso é cuidar da própria imagem, se mostrando socialmente como um profissional com potencial de crescimento, empenho e inovação. Para isso, o marketing pessoal funciona muito bem.

Tenha perfis sérios nas redes sociais, cuidado com suas opiniões polêmicas e posicionamentos. Crie um perfil no LinkedIn e comece a publicar ou compartilhar conteúdo de relevância profissional, a fim de criar uma boa reputação e uma boa imagem pública para seus possíveis empregadores.

2 – Invista em bons relacionamentos pessoais

Ainda que você não goste do lugar onde trabalhou anteriormente, é sempre importante manter contatos saudáveis de todas as empresas pelas quais você tenha passado. Convide para tomar um café ou almoçar. Fale sobre emprego, carreira, perspectivas, enfim: invista em um relacionamento de honestidade, respeito e amizade com seus ex-colegas.

Ao se fazer lembrar de maneira amigável e afetiva, você pode contar com a convocação de amigos e seus ex-colegas em uma oportunidade de emprego, fazendo com que esse relacionamento se torne em vagas de trabalho no futuro. Não se trata de ser interesseiro, mas sim, ajudar e ser ajudado.

3 – Participe de eventos de sua área de atuação

É muito importante se fazer presente em eventos da sua área de atuação profissional, mesmo que você esteja desempregado. Congressos, summits, feiras e outros eventos do tipo costumam contar com a presença de profissionais que são referência em seu setor.

Estes acontecimentos são ótimas oportunidades para fazer contatos profissionais e ter bons papos com pessoas inspiradoras de sua área, que podem dar ótimas ideias sobre, caso não seja possível se recolocar no mercado, até mesmo empreender e sair da situação de desemprego.

4 – Dedique tempo à elaboração de um currículo de qualidade

O currículo é a primeira coisa a ser avaliada por um possível empregador. Ele precisa ser claro, conciso, mostrar o potencial do trabalhador e evidenciar as suas melhores qualidades. A precisão nos dados é fundamental, mas, além disso, uma boa diagramação com um design leve, moderno e agradável pode fazer a diferença para a sua contratação. Por isso, dedique um bom tempo para selecionar e dispor as informações em seu CV.

5 – Invista em assessoria de carreira

A assessoria de carreira ajuda o profissional a se portar de forma mais adequada e atraente para os empregadores, além de auxiliá-lo a tomar as melhores decisões para que sua carreira decole ou volte para os trilhos. Esse investimento em você mesmo pode ser a sua melhor escolha para curto, médio e até mesmo longo prazo.

 

Se realocar no mercado pode ser um grande desafio para profissionais, o mercado está evoluindo de forma cada vez mais rápida e os contratantes esperam algumas coisas de seus possíveis candidatos. Por isso, vamos ver 5 erros cometidos por profissionais principalmente seniores no momento de se recolocar no mercado.

1 – Não ter um perfil no LinkedIn

As redes sociais tradicionais já estão cada vez mais sendo usados como forma de recrutamento. É uma maneira de conhecer um pouco da personalidade do funcionário, antes mesmo que ele entre em contato direto com a sua empresa, e tentar entender se ele está de acordo com a cultura do ambiente.

Imagine agora uma rede social voltada para o lado profissional? Esse é o LinkedIn. É uma rede social que age como um currículo moderno, em que você pode fazer conexões com outros profissionais, exibir o seu histórico de trabalho e até mesmo publicar artigos sobre a sua especialidade de modo atrair recrutadores. É uma ferramenta fundamental.

2 – Não trabalhar bem o currículo

Como dito anteriormente, o mercado está mudando. Tudo fica cada vez mais ágil e os recrutadores não gostam mais de perder tempo e lidar com informações desnecessárias.

O currículo é um grande exemplo. Esse documento deve ser bem curto e direto, trazendo apenas informações importantes sobre o seu histórico profissional e informações de contato. Não destaque apenas a sua trajetória e deixe bem claro suas maiores conquistas e como você pode ajudar.

3 – Não fique apenas esperando

A competitividade do mercado significa que dificilmente seu telefone irá ficar tocando, com diversas ofertas de emprego. Existe muita gente procurando.

Por isso, é preciso se movimentar. Trabalhos voluntários são uma maneira de se destacar, e fazer com o seu trabalho fique mais facilmente reconhecido. Publique trabalhos, escreva artigos sobre o que te interessa e sobre o que você entende bem. Lembre-se, é preciso que apenas uma pessoa tenha interesse pelo seu trabalho.

O networking também é importantíssimo para conseguir se reposicionar no mercado. As recomendações são fundamentais e os recrutadores dão muito mais peso a candidatos que são conhecidos de funcionários ou ex-funcionários.

Amizade de trabalho é parte do trabalho, por isso, acione todos os seus contatos e procure saber o que eles andam fazendo ou se sabem de alguma oportunidade.

De qualquer forma, seja sempre proativo na busca.

4 – Não subestime a tecnologia

As funções mudam de acordo com o tempo, assim como a forma que elas são feitas. Atualmente, existem diversas soluções que facilitam muito o trabalho e elas não são seu adversário, pelo contrário. Aprender como usá-las, em combinação com o seu conhecimento e experiência, significa uma característica que muitos poucos candidatos irão ser capaz de oferecer.

Estar estagnado nos conhecimentos é uma forma de ficar para trás.

5 – Fique atento à atitude

Por fim, é preciso gerenciar muito bem a atitude, especialmente na hora das entrevistas. Ao conversar com um recrutador mais jovem, subestimá-lo ou se achar superior pela sua qualidade do trabalho e pela sua experiência, pode fazer com que a interação seja péssima.

É preciso se policiar muito, pois, mesmo que isso tudo seja verdade, passar a impressão de arrogância e superioridade significa que provavelmente você não vai conseguir o emprego. Humildade é uma excelente qualidade.

Website: http://claudioriccioppo.com/

Faça o seu marketing pessoal

A importância de trabalhar seu marketing pessoal

Escrito por | Dicas

O marketing pessoal envolve uma série de estratégias e atitudes que tem como objetivo fazer com que a imagem pessoal das pessoas seja bem-vista, como um indivíduo que tem potencial e valor agregado. Fazer marketing pessoal não significa mentir sobre si mesmo, mas sim destacar as habilidades, boas características e forças que uma pessoa realmente possui.

Neste texto, nós iremos falar sobre a importância de trabalhar o seu marketing pessoal, seja para conseguir um emprego, fazer melhores negócios e até mesmo ter relacionamentos pessoais mais proveitosos. Confira!

Ressaltar características positivas

Um dos objetivos do Marketing Pessoal é ressaltar no indivíduo as suas características positivas. Fatores como proatividade, capacidade de resolução de problemas, potencial de liderança, bom vestuário e imagem positiva, foco, disposição, entre outras características, são colocadas em evidência para que todos saibam que se trata de uma pessoa séria e competente.

Além de evidenciar as boas características, o Marketing pessoal também ajuda a pessoa a se tornar conhecida de forma positiva para mais gente, seja através das redes sociais, ou até mesmo pessoalmente.

Quem é bem-visto, é lembrado

O Marketing pessoal pode servir como um diferencial competitivo para qualquer profissional. Pessoas com uma imagem construída de forma positivamente tendem a construir relacionamentos pessoais, profissionais e comerciais com maior facilidade. Por exemplo: um representante comercial com um bom Marketing Pessoal trabalhado em sua imagem certamente venderá mais do que um profissional cuja imagem é apagada ou malvista, ainda que ambos estejam oferecendo o mesmo produto ou serviço.

Quando há uma competição direta entre profissionais com currículos parecidos, quem investiu em Marketing Pessoal sai na frente.

Construção de autoridade e credibilidade

Já reparou que muitas pessoas estão frequentemente aparecendo nos meios de comunicação, ou suas publicações nas redes sociais contam com um número alto de interações positivas? Essas pessoas gozam de autoridade e da credibilidade do público. Para além de sua capacidade técnica, estes agentes investem de forma consistente em Marketing Pessoal, criando para si uma figura de confiança, carisma e respeito.

Você também pode criar essa imagem para si ao investir em Marketing Pessoal, especialmente com o apoio das redes sociais, em especial LinkedIn, Facebook e Twitter.

Conhecer o público e ser conhecido por ele

Os esforços do Marketing Pessoal não servem apenas para se fazer conhecido, mas também para se fazer conhecer. Quem investe em Marketing Pessoal também precisa saber sobre as predileções, gostos e demandas do público-alvo sobre o qual se deseja criar uma imagem positiva.

Por isso, ao conhecer melhor suas personas, o indivíduo que trabalha o Marketing Pessoal passa a oferecer serviços mais alinhados com suas exigências, tornando-se um exemplo de profissional a ser seguido. O engajamento com o público não pode ser medido em dinheiro, mas os negócios proporcionados por esse engajamento podem.

Agora você já entende um pouco mais sobre Marketing Pessoal. Que tal saber mais sobre carreiras e mercado de trabalho? Leia outros de nossos conteúdos!

Website: http://www.claudioriccioppo.com

Aprenda a mostrar seu nível de inglês através do seu currículo e como e quando colocar foto nele

Escrito por | Dicas, Entrevista de Emprego

A briga por empregos nunca esteve tão ferrenha. A quantidade cada vez maior de profissionais qualificados que procuram uma mesma vaga significa que cada vez mais os detalhes são importantes e podem fazer a diferença. Pequenas preocupações que há pouco tempo seriam insignificantes hoje podem ser uma vantagem – até mesmo um diferencial ou um detrimento. Um dos aspectos que sempre deixa muitas dúvidas no momento de compor um currículo é o uso de fotos.

Quando colocar fotos no currículo?

De uma maneira geral, não é necessário colocar fotos no currículo, a menos que o recrutador deixe explicitamente claro que é para fazê-lo. Como praticamente todos têm LinkedIn, ou pelo menos Facebook, se ele quiser realmente ver os possíveis funcionários, irá procurar na rede social mais relevante.

Em certos casos bem específicos, como recepcionistas, representantes de vendas e promotores, a foto pode ser um diferencial até mesmo para a vaga, já que ajuda a transmitir um pouco do carisma necessário para cumprir melhor esse trabalho.

Porém, algumas regras devem ser respeitadas. Em primeiro lugar, fotos descontraídas, como na praia ou em churrasco, podem ser justificadas como “me mostra como uma pessoa legal”, mas absolutamente não pertencem a um currículo profissional e devem ser evitadas a qualquer custo. Deixe esse tipo de foto para o Facebook.

Apesar de tudo, a foto não é proibida e pode ser incluída. A foto nunca irá ser o ponto principal do currículo e toda a atenção deve ser dada primeiramente as suas capacidades e habilidades, que irão ser a maior forma de se vender. Porém, se você tiver o interesse, nada impede que a foto seja usada como um pequeno complemento e uma forma de se conectar com o recrutador.

Nesse caso, é preciso alguns cuidados para fazer da forma correta.

Como colocar fotos no currículo?

As fotos no currículo têm o mesmo objetivo de qualquer outro aspecto deste documento: te apresentar como um profissional.

O primeiro passo para isso é ser discreto. Evite acessórios chamativos como bonés, óculos escuros, joias ou maquiagem.

Já em relação a imagem, o fundo pode ser branco. Usar imagens recortadas de outras redes sociais ou de situações que não se encaixam com o objetivo primário pode indicar uma preguiça ou descaso que o recrutador certamente não irá gostar de ver.

O mesmo se aplica a qualidade da foto. Fotos mal tiradas, com baixa resolução e luminosidade não adequada devem ser completamente evitadas. O seu currículo é a sua apresentação e a falta de qualidade, em qualquer aspecto, é algo que você não quer associado a ele.

O sorriso não é proibido e eventualmente até ser recomendado. Este pode revelar uma simpatia e gerar uma conexão com o recrutador que pode ser um pequeno diferencial. Como dito acima, cada detalhe pode fazer a diferença.

Já as roupas devem ser sóbrias, e de preferência refletir o que será usado no dia a dia do trabalho. Isso pode até mesmo ajudar o recrutador a te imaginar cumprindo a função.

 

Então no momento de preparar o currículo o uso das fotos deve ser evitado a menos que o recrutador peça ou que tenha alguma relação com a vaga. Mesmo assim, quando forem colocadas, devem ser sempre da maior qualidade e ter o objetivo de vender o candidato como um profissional apto ao trabalho.

Você sabe que as habilidades linguísticas, especialmente as habilidades no idioma inglês, são importantes para sua carreira – e você investiu na melhoria de sua fluência. Então, qual é a melhor maneira de apresentar suas habilidades no currículo?

POR QUE CERTIFICAR É IMPORTANTE
A primeira coisa que você deve entender é a importância de certificar suas habilidades no idioma com um teste padronizado. Como o mundo se tornou mais digital, o processo de candidatura seguiu o exemplo. Isso tornou muito mais fácil a candidatura a empregos, mas também significa que os gerentes de contratação estão agora se afogando em currículos. A certificação de suas habilidades ajuda a remover quaisquer dúvidas sobre o seu nível de idioma que, de outra forma, poderiam colocá-lo na pilha de “não”. A certificação faz você se destacar de outros candidatos e aumenta a visibilidade do seu currículo. O LinkedIn revelou que adicionar habilidades certificadas ao seu perfil aumenta as visualizações em até 600%.

ESCOLHENDO UMA CERTIFICAÇÃO DE IDIOMA
A escolha de um teste padronizado para certificação de idiomas pode ser um desafio, dependendo do idioma, pois pode haver vários testes disponíveis. Para os propósitos do seu currículo, a principal coisa que você quer considerar é o quão academicamente rigoroso é o teste. Um teste de baixa qualidade não avaliará suas habilidades corretamente, e colocá-lo em seu currículo não fará você parecer um candidato sério. Por esse motivo, faz sentido manter testes desenvolvidos por organizações internacionais que usam especialistas em avaliação de idiomas.
Outra consideração importante é obviamente prática, custo e conveniência. Os testes certificados mais sérios custam mais de 200USD por sessão de teste e só podem ser feitos em datas específicas.

COLOCANDO SUAS HABILIDADES LINGUÍSTICAS CERTIFICADAS EM SEU CURRÍCULO
Depois de ter certificado de suas habilidades no idioma, você deseja apresentar sua pontuação em um formato que seja fácil de entender. É recomendado incluir o nome do teste, sua pontuação e um descritor de nível (por exemplo, Intermediário), caso os empregadores não estejam familiarizados com o sistema de classificação de cada exame. Isso deixa claro que você certificou suas habilidades e mais fácil para um empregador entender seus resultados.

E SE VOCÊ NÃO TIVER CERTIFICAÇÃO?
Você ainda pode se encontrar em uma situação em que não possui certificação de idioma. Isso é especialmente verdadeiro para outros idiomas além do inglês, onde não há testes gratuitos e de alta qualidade disponíveis. Nesse caso, sua melhor opção é fazer referência a uma das escalas de classificação desenvolvidas por órgãos governamentais e fazer uma autoavaliação. Na Europa, a escala de classificação padrão é denominada CEFR e, nos EUA, existem dois padrões: ACTFL e ILR. Você pode encontrar as escalas de classificação padrão e as ferramentas de autoavaliação, geralmente apresentadas como uma lista de instruções de tarefas, na maioria dos idiomas. Use as ferramentas de autoavaliação para determinar seu nível em cada idioma que você fala. Certifique-se de incluir um descritor de nível também.

INCLUINDO OUTRA EXPERIÊNCIA LINGUÍSTICA RELEVANTE
Se você tem experiência significativa trabalhando ou estudando em um idioma estrangeiro, inclua isso além da sua certificação em seu currículo. Por exemplo:

  • 5 anos de experiência trabalhando com clientes que falam inglês
  • 1 ano de imersão no ensino médio no Japão

Provar que você usou com sucesso uma linguagem no contexto é sempre impressionante para um futuro empregador.

QUANDO NÃO INCLUIR COMPETÊNCIAS LINGUÍSTICAS NO SEU CV
Há momentos em que pode fazer sentido deixar suas habilidades linguísticas fora de seu currículo.

Nível iniciante: geralmente não faz sentido incluir habilidades de linguagem quando você está em um nível iniciante. Você não poderá trabalhar efetivamente nesses idiomas, e incluí-los no seu currículo faz com que você pareça menos sério. A exceção é se você tiver um interesse pessoal em aprender muitos idiomas e incluí-lo em uma seção “Hobbies” ou “Interesses pessoais” em vez de na seção “Competências linguísticas” do seu currículo.

Cargos muito altos: Nos níveis mais altos de senioridade em organizações internacionais, o inglês proficiente é assumido. Nesse caso, colocar suas habilidades em inglês no seu currículo é supérfluo.

SEJA HONESTO
Ao escrever seu currículo, é importante mostrar seu melhor lado e não ter medo de apresentar suas realizações. Por causa disso, as pessoas às vezes são tentadas a exagerar suas habilidades. No entanto, não ser sincero sobre suas habilidades linguísticas sempre o prejudicará em um contexto profissional. Mesmo se você conseguir uma entrevista usando uma declaração falsa, o gerente de contratação descobrirá na entrevista, ou você será descoberto no primeiro dia de seu novo emprego, e é improvável que você mantenha o cargo posteriormente.
Se você está preocupado com o fato de suas habilidades linguísticas não serem boas o suficiente, invista em algum treinamento de idiomas ou experimente alguns dos muitos recursos gratuitos disponíveis online. Em uma entrevista, você pode dizer a um empregador sobre sua educação contínua – os empregadores geralmente ficam impressionados com os candidatos que fazem um esforço ativo para melhorar suas habilidades.

Website: http://www.claudioriccioppo.com

Redes sociais

Processo seletivo: por que devo tomar cuidado com as minhas redes sociais?

Escrito por | Dicas

As redes sociais modificaram de forma considerável a forma como nos comunicamos uns com os outros. A sua difusão e grau de penetração social evidentemente não passaram despercebidos pelas empresas. Razão esta pela qual tantas marcas investem na manutenção de seus próprios perfis na rede. Porém não é apenas para fins de Marketing que as organizações se mantêm atentas ao ambiente digital. Um exemplo disso é a análise de perfis para o processo seletivo. Neste sentido é preciso tomar cuidado com as suas redes sociais!

Um equívoco comum é acreditar que a natureza pessoal das redes sociais permite que o usuário se comporte como quiser. Trata-se de um engano porque as empresas hoje querem conhecer melhor os seus futuros colaboradores. E nada melhor do que recorrer ao ambiente digital para isso. A quantidade de informações disponíveis para análise permite que as organizações esbocem um perfil do profissional antes mesmo de contatá-lo.

Neste tocante, a sua página nestes sites pode depor contra a sua seleção. O principal fator a ser analisado pelas empresas é se os valores do candidato correspondem àquilo que defendem como princípio. E até mesmo para funcionários já contratados este cuidado é válido. Afinal, não é raro o desacordo com os valores promovidos pela empresa gerar problemas. Há inúmeros exemplos de postagens infelizes que terminaram em demissão justificada.

Por questões de coerência ou de gestão de imagem cada vez menos são tolerados comportamentos que possam repercutir negativamente. E isto porque o funcionário é hoje entendido como parte ativa na propagação das convicções da empresa.

Tenha atenção redobrada também às opiniões polêmicas. É hábito, e natural, que as pessoas comentem política, religião, comportamento e entretenimento nas redes sociais. Contudo, se o seu comentário gera discussões acaloradas, ou pode ser considerado ofensivo para algumas pessoas, abstenha-se!

Processo seletivo: atenção às informações pessoais

Há muitos usuários que transformam os perfis nas redes sociais em um verdadeiro diário. Incluindo entre as postagens informações de cunho verdadeiramente íntimo. Este tipo de conteúdo pode acabar atrapalhando o candidato se analisado pela empresa durante o processo seletivo. Certifique-se de sempre estabelecer um limite entre a sua vida pessoal e digital.

Atenção às suas fotos também para não passar uma impressão errada. Você pode até ser festeiro, mas não vá divulgar aos sete ventos aquela sua imagem com o copo de bebida na mão. Fotografias que possam ter uma conotação sexual também são algo a ser evitado.

Comentários negativos sobre trabalho são outro problema recorrente. É importante atentar a estas condutas citadas, porque elas podem projetar a imagem de um candidato sem comprometimento ou profissionalismo. Para evitar que as redes sociais atrapalhem as suas chances durante um processo seletivo comece fazendo uma revisão de perfis. Remova tudo aquilo que for desnecessário ou que possa gerar mal-entendidos.

Mantenha também a sua foto de perfil atualizada e escolha com sabedoria. A preocupação aqui não é de ordem meramente estética, cuide apenas para manter o bom gosto. É igualmente importante que esta escolha tenha coerência com a imagem que você deseja projetar. Sobretudo em redes com foco mais profissional como o LinkedIn. Outra dica pertinente é mostrar sempre que possível a sua formação e eventuais certificações. Esses são detalhes que servem para análise de currículo e que mostram de forma resumida as suas competências.

O que podemos concluir de tudo isso é que atualmente o processo seletivo começa muito antes das entrevistas de emprego. E por esta razão as empresas têm dado cada vez maior atenção ao que fazem os candidatos na internet. Fique atento e tenha os cuidados mencionados neste artigo para não se prejudicar. Eles são a garantia de que as suas redes sociais servirão para promover a sua candidatura de forma positiva.

Website: http://www.riccirh.com.br

Como apresentar sua experiência profissional no seu currículo da melhor forma

Como apresentar sua experiência profissional no seu currículo da melhor forma

Escrito por | Dicas

Para você que está em busca de um novo emprego, Claudio Riccioppo de Moraes (www.claudioriccioppo.com) um dos mais renomados consultores de RH e apoio a recolocação profissional na atualidade, da dicas valiosas para ter um currículo gerador de entrevistas

A seção de experiência de trabalho de seu currículo é onde você mostra seu histórico profissional. Ele deve ser preciso, destacar suas conquistas e incluir pontos relevantes que provam que você é a pessoa certa para o trabalho.

Mas isso pode ser difícil de aperfeiçoar. Afinal, o que o gerente de contratação realmente quer nesta seção? Não tenha medo; separamos sete dicas para escrever a seção de experiência profissional do seu currículo da melhor forma possível.

1. Desenhe paralelos
Liste seus trabalhos anteriores em ordem cronológica com o emprego mais recente aparecendo primeiro. Se houver alguns paralelos entre a sua empresa antiga e a nova que você está solicitando, vale a pena fornecer informações sobre suas semelhanças. Isso pode mostrar ao gerente de contratação que você tem as habilidades para o trabalho e é importante que sua empresa atual.

2. Seja factual
Todos os aspectos do seu currículo, incluindo suas datas de emprego, devem ser factualmente corretos. Se você tem uma lacuna no emprego e está preocupado com a forma como isso pode acontecer, você sempre pode inserir datas como mês a mês ou até mesmo ano a ano, em vez de datas específicas.
Para trabalhos que foram há muitos anos, ou se você teve vários trabalhos em um período relativamente curto, é possível agrupar esses trabalhos, por exemplo, “2001-2003 trabalhou em funções temporárias no setor de varejo”.

3. Prove que você tem o que eles querem
Pesquise os detalhes do trabalho e as especificações pessoais para o tipo de trabalho desejado. Em seguida, em cada um dos trabalhos em sua seção de experiência, use os marcadores para ilustrar que você tem exatamente as habilidades e o conhecimento que eles buscam.

Lembre-se de ser específico. Se eles querem experiência em vendas, especifique quantos clientes você lida, os tipos de responsabilidades que você teve e dê um exemplo para mostrar suas habilidades. Por exemplo:

“Eu tenho experiência em uma função de vendas exigente, onde fui obrigado a cumprir as metas mensais dos clientes. Eu lidei com clientes X diariamente fazendo uma quantidade X de vendas em um período de X meses, excedendo minha meta em X%. Esse papel me ensinou como lidar com um ambiente ocupado e dinâmico. Aprendi a me adaptar às diferentes necessidades dos clientes para atingir minhas metas mensais.”

4. Contagem de trabalho voluntário
Quando você tem uma experiência de trabalho limitada ou está procurando mudar completamente de carreira, outra experiência fora do emprego remunerado pode mostrar suas capacidades. Isso pode incluir colocações de trabalho não remuneradas, atividades comunitárias, como trabalhar com uma instituição de caridade ou ser um representante estudantil do seu curso.
Os empregadores responderão positivamente à leitura de quaisquer atividades extracurriculares nas quais você esteja envolvido, especialmente se demonstrarem energia e espírito de comunidade, porque esses são exatamente o tipo de comportamento que desejam em seus funcionários.

5. Realce suas conquistas
Muitos caçadores de emprego escrevem seus currículos como uma descrição de trabalho. Eles listam fielmente os deveres que desempenharam e suas responsabilidades. No entanto, eles não mostram o impacto positivo de seu trabalho em equipe ou contribuição para a organização como um todo. Certifique-se de não cometer esse erro usando declarações de conquista. Por exemplo:

Desde que assumiu a função de controle de crédito, mais de 95% das dívidas antigas foram recuperadas, algumas das quais vencidas há mais de dois anos.
Treinei 50 funcionários no Excel, o que aumentou a capacidade dos funcionários e sua eficiência de tempo na produção de relatórios. </li>
Desenvolveu uma nova política que reduziu significativamente os riscos para a saúde pública, obrigando as organizações a treinar e induzir a equipe adequadamente.

Os exemplos mostram como você pode expandir suas habilidades e mostrar como você entregou resultados significativos para a organização, seus clientes e a sociedade em geral.

6. Use uma linguagem positiva
Escolha suas palavras com cuidado para refletir que você é um funcionário de alto desempenho e que pode fazer tudo. Use palavras de ação positivas, para mostrar o calibre e o ritmo com que você está trabalhando. Nunca inclua críticas implícitas sobre trabalhos anteriores. Se você se referir a desafios difíceis, explique como você ajudou a superá-los ou omiti-los completamente.

Concentre-se em seus pontos fortes
Se você estiver procurando por um trabalho que seja diferente da sua experiência de trabalho anterior, em vez de usar o título ‘histórico de carreira’ e listar seus trabalhos cronologicamente, tente usar ‘habilidades-chave e experiência’. Isso lhe dará a flexibilidade de chamar a atenção para as experiências profissionais mais relevantes que você já teve.
Você ainda precisará incluir um histórico de emprego curto com datas, mas isso pode ser relegado à segunda página. O objetivo é convencer o recrutador de que você é um ótimo candidato ainda na primeira página. Essa abordagem também funciona bem para pessoas que têm lacunas visíveis em seu histórico de empregos.

Autoconhecimento é fundamental para impulsionar a carreira

Escrito por | Dicas

autoconhecimento é uma tarefa muito importante que envolve a honestidade de uma pessoa consigo. Trata-se de um exercício de autoanálise, em busca de características, padrões de comportamento e interesses.

Além de ser benéfico no cotidiano, em geral, é algo especialmente importante para a carreira. Aplicado de um jeito estratégico, ele garante que os resultados fiquem melhores, levando a novas oportunidades.

Para entender como isso acontece, confira a importância desse elemento na vida de qualquer profissional.

O autoconhecimento permite identificar forças e fraquezas

Quando alguém investe em se conhecer, ele encontrará respostas para várias perguntas. Nesse processo, poderá entender, por exemplo, quais são as suas maiores qualidades, habilidades e interesses.

Ao mesmo tempo, é viável reconhecer as falhas, as características defeituosas e o que ainda precisa ser trabalhado. Assim, há como potencializar os pontos positivos e trabalhar para equilibrar o que está deficiente.

Eventualmente, você entra em um processo de melhoria contínua, tornando-se cada vez mais capacitado e preparado, enquanto profissional.

O entendimento sobre si ajuda na definição dos caminhos da carreira

Outra questão é que o autoconhecimento é de grande valia para escolher um direcionamento de carreira. Basicamente, sem se conhecer é fácil definir que subir na empresa ou que se manter estável é o real desejo.

Contudo, é somente ao mergulhar nos próprios interesses, capacidades e dificuldades que dá para compreender quais são os melhores caminhos para seguir. Trata-se, portanto, de um aproveitamento do máximo de potencial, inclusive quanto à recolocação profissional.

Isso ajuda a traçar objetivos, metas e estratégias, favorecendo o desenvolvimento da carreira. Além de tudo, é um jeito de identificar oportunidades que, nem sempre, são enxergadas por todas as pessoas.

A inteligência emocional também fica muito favorecida

Quem se conhece muito bem consegue perceber qual é o seu real valor e o que deve valorizar. Isso não apenas gera uma atuação mais confiante em todos os sentidos, mas aumenta a inteligência emocional.

Em ambientes de trabalho, nos quais o capital humano é cada vez mais importante, esse é um aspecto indispensável. É graças à inteligência emocional que é possível se relacionar de um jeito melhor, assim como liderar e motivar as pessoas.

Com a ampliação dessa característica, as oportunidades também ficam maiores e mais nítidas, gerando desenvolvimento nesse sentido.

O destaque no mercado se torna um caminho natural

Combinados, todos esses efeitos contribuem para o crescimento pessoal e profissional. Graças ao autoconhecimento, você se torna uma pessoa ciente das próprias habilidades e capaz de comandá-las de um jeito diferenciado.

O exercício natural da liderança surge da mesma forma que a habilidade de relacionamentos. Com resultados melhores, há um desempenho destacável, que não passa despercebido pelo mercado, em geral.

Assim, trata-se de uma ação que contribui para ampliar a diferenciação e para o desenvolvimento de carreira, otimizando o posicionamento.

autoconhecimento permite que o profissional reconheça seu lado positivo e melhore o que ainda pode ser otimizado. Isso leva ao destaque e ao desempenho, favorecendo o crescimento na carreira.

Nos comentários, aproveite e compartilhe suas experiências sobre esse hábito de autoavaliação e participe.

5 dicas para manter uma boa rede de network

Escrito por | Dicas

Ter um currículo bem montado e cartas de apresentação bem escritas pode não ser suficiente para que seu nome circule bem no meio profissional. É imprescindível criar uma boa rede de network para que isso aconteça.

Para crescer profissionalmente, deve-se estar bem entrosado com diversas pessoas e inserido na realidade do setor no qual você exerce seu trabalho. Assim, seu nome pode se tornar uma referência, e suas competências serão mais bem reconhecidas.

Manter seus contatos próximos e interessados no que você faz não é tarefa fácil. Contudo, as 5 dicas deste artigo podem ajudar bastante nessa tarefa:

1. Valorize a qualidade e não a quantidade

Nada de acessar as redes sociais e adicionar qualquer pessoa. Muito menos forçar a entrega de seu currículo ou cartão de visitas nas mãos de todo mundo que estiver presente em um evento ou reunião.

Mais importante do que a quantidade é o perfil das pessoas que você vai incluir na sua rede de network. É preciso que seus interesses caminhem juntos, para que surja uma identificação que gere novos assuntos e oportunidades.

2. Reforce sua rede de network sempre que possível

Sempre que surgir uma ocasião de levar seu contato virtual para a vivência pessoal, aproveite. Ao encontrar conhecidos em eventos ou mesmo na rua, faça questão de cumprimentá-los. Se tiver abertura, converse educadamente.

Caso ainda não tenha muita intimidade com determinada pessoa ou nunca a tenha encontrado pessoalmente antes, se apresente de forma gentil a fim de não gerar nenhum incômodo. Esses pequenos detalhes farão com que a sua imagem fique gravada na mente de seus contatos, de maneira associada a lembranças agradáveis.

3. Cultive seu interesse e troque informações

Nunca fale demais e nem escute de menos. Para que a rede de network se mantenha forte, o ideal é que haja um equilíbrio entre suas ações com o contato. Portanto, sempre se dedique a construir uma conversa aprazível e interessante, onde ideias sejam trocadas e conhecimentos sejam compartilhados.

É importante se manter atento para as possíveis demonstrações de desinteresse também. Às vezes, você pode estar dedicando atenção a uma pessoa que não pretende desenvolver laços duradouros de relacionamento, e acaba perdendo oportunidades mais produtivas.

4. Seja sempre bem informado

Saber o que se passa em sua área de interesse é fundamental para cativar seus contatos. Em geral, as pessoas procuram se relacionar com quem tem algo a dizer e que entende bastante sobre o que fala a respeito.

Domine assuntos atuais e vá atrás de novidades, para permanecer sempre atualizado. Procure grupos, fóruns e eventos que proporcionem essas informações, pois também serão ambientes propícios para aumentar sua rede de network.

5. Cuide bem de seus contatos

O contato foi estabelecido com sucesso, e você colheu bons frutos dessa relação. Porém, ele não para por aí. Demonstre gratidão e respeito, sempre que possível, mesmo que haja algum distanciamento transitório entre os envolvidos.

Dessa forma, sempre que precisar recorrer ao contato novamente, o processo se desenvolverá de forma natural e sem constrangimentos ou obrigações implícitas. A rede, então, se manterá saudável e imperecível.

E então, você já colocou alguma dessas orientações em prática? Qual delas funcionou melhor para você? Deixe um comentário abaixo e conte-nos também se você tem alguma outra dica útil que possa ajudar a manter bons relacionamentos.

O que é outplacement profissional?

Escrito por | Coaching, Dicas

O mercado de trabalho não tem se tornado apenas mais competitivo, como também possui questões cada vez mais específicas. Antes de demitir um colaborador, por exemplo, uma empresa precisa se preocupar com uma série de fatores.

Na hora de buscar uma recolocação, o funcionário também tem que se atentar para estar mais preparado e conseguir vencer a concorrência. Nesse cenário, surge o que é conhecido como outplacement profissional.

Indispensável para quem busca efeitos otimizados, deve ser usado corretamente. Por isso, veja do que isso se trata e entenda melhor como tudo acontece.

Afinal, o que é outplacement profissional?

O outplacement baseia-se na recolocação profissional de um indivíduo no mercado de trabalho. Ele inclui processos que vão desde o planejamento de desligamento até o encontro de uma nova vaga para o funcionário.

Em geral, é uma etapa realizada por uma empresa terceirizada, a qual é contratada por um empreendimento ou pelo próprio colaborador.

Trata-se, portanto, de uma área do RH voltada para que as pessoas consigam ocupar novas — e, possivelmente, melhores — vagas no mercado, de maneira eficiente e tão rápida quanto possível.

Como o processo é feito?

Basicamente, o outplacement profissional se divide em duas categorias. A primeira é o planejamento, em que a empresa e o colaborador definem qual é o melhor momento para o desligamento, assim como todas as suas características.

Avalia-se, por exemplo, quais são os valores devidos com a demissão, como acontecerá a transição e tudo o que precisa ser observado para que o processo ocorra sem prejuízos para nenhuma das partes.

Já a recolocação é a parte mais importante e que tem como objetivo conquistar uma nova posição no mercado. Ela é executada por meio de conselhos e de orientação, assim como pela prospecção de vagas e a escolha das melhores estratégias para entrevistas.

Não há garantias quanto à recolocação, mas, certamente, alguém que tem essa ajuda sai à frente dos demais.

Quais são os benefícios?

As vantagens do outplacement profissional são variadas e para ambos os lados. A empresa que contrata esse serviço consegue realizar uma transição de desligamento muito facilitada, além de diminuir as chances de sofrer com ações trabalhistas.

Para completar, ela ganha uma reputação otimizada em relação à capacidade empregatícia. Ou seja, trata-se de um empreendimento que passa a ser visto como um empregador melhor, o que ajuda na atração e retenção de talentos.

Para o profissional, esses benefícios são ainda mais intensos. Esse processo diminui, por exemplo, o tempo necessário para conseguir um novo posto de trabalho.

Também contribui para o encontro de vagas alinhadas ao perfil, assim como para a conquista de resultados muito melhores quanto a salários, benefícios e posição hierárquica.

Por que escolher uma boa empresa?

Ainda que pareça simples, o outplacement possui caminhos que precisam ser seguidos de uma forma específica. Se a equipe não for competente, por exemplo, a recolocação se torna muito menos provável.

Portanto, é indispensável escolher um bom negócio desse ramo. Ela garantirá que tudo aconteça da maneira mais fácil e tranquila, além de com o melhor potencial para trazer as consequências esperadas.

Ao final, essa escolha adequada trará maior segurança na etapa, permitindo que todos fiquem satisfeitos com o processo.

outplacement profissional está ligado à recolocação no trabalho e, até mesmo, ao desligamento. Em geral, ele é executado por uma empresa terceirizada e é fundamental que ela seja de qualidade para que os efeitos sejam verdadeiramente positivos.

Restou alguma dúvida sobre o tema? Sinta-se livre para comentar e participar do debate!